Localização celular da glicose


Blog do Enem - Dicas e conteúdos gratuitos sobre Enem, Fies, Prouni, Sisu, Pronatec e Vestibular.

Suellen GA. Exibir mais.

Sem downloads. Visualizações Visualizações totais. Ações Compartilhamentos. Nenhuma nota no slide. Bioquímica ii 02 glicólise e gliconeogênese 1.

Respiração celular aeróbica e fermentação

Logo, ela tem como principaisdestinos: Armazenada: glicogênio, amido, sacarose. Oxidada através da glicólise: piruvato. Oxidada através da via das pentoses fosfatos.

A via glicolítica pode aconteceraerobicamente ou anaerobicamente. Nesta, o rendimento é de apenas 2moléculas de ATP, enquanto a viaaeróbica, o rendimento e de cerca de 38ATP, sendo muito mais vantajosa. Fase de Investimento: - 2ATP A glicose, para entrar e ser armazenada dentro das células, deve ser fosforilada. OBS3: A via glicolítica ocorre tanto na presença quanto na ausência de O2. Fosfofrutoquinase: Principal enzima de controle da via glicolítica. Regulada por efetores alostéricos negativos: ATP, citrato e íons hidrogênio. Regulada por efetores alostéricos positivos: AMP e frutose-2,6-difosfato.

Glicoquinase: isoenzima da hexoquinase presente no fígado. Piruvato quinase Quando o nível de glicose é baixo, o glucagon dispara uma série de reações de AMP cíclico fosforilando a piruvato quinase diminuindo a sua atividade. A 2-desoxiglicose: É um outro substrato da hexoquinase, que pode dar preferência a ela, formando 2-desoxiglicose 6- fosfato.

• Respiração aeróbica

A 2-desoxiglicose 6-fosfato acumula-se na célula e compete com a enzima. Reagentes sulfidrílicos: Inibem a glicerol 3-fosfato desidrogenase. Uma vez na mitocôndria, o malato é convertido em oxalacetato, o qual é convertido, junto ao glutamato, em aspartato. Porém,esse glicogênio se esgota em um prazo de 18a 24 horas.

Glicose - Bioquímica e Nutrição - InfoEscola

É uma via universal encontrada emtodos os animais, vegetais, fungos emicroorganismos. A gliconeogênese, assim como na glicólise, ocorre por meio de 10 reações que resultam em piruvato. Ao chegar aos hepatócitos, o piruvato entra nas mitocôndrias, pois só esta organela possui enzimas capazes de transformar o piruvato em uma substância gliconeogênica.

A galactosefosfat é convertida a glicosefosfato por um conjunto de reações nas quais a uridina difosfato UDP funciona de forma semelhante a uma coenzima como transportadora de moléculas de hexoses. No fígado serve para manter um nível constante de glicose no sangue, produzindo e exportando glicose quando outros tecidos precisam dela, e importando e armazenado glicose quando é fornecida em excesso pelo alimentos ingeridos na dieta. Quando o nível de glicose esta baixo no sangue, a glicose livre produzida do glicogenio do figado é liberada na corrente sangüínea e transportada aos tecidos que a requerem como combustível.

Desta maneira a fosforilase do glicogenio age como sensor do fígado, diminuindo a quebra do glicogênio sempre que o nível de glicose no sangue esta alto. Esta proteína reguladora também tem afinidade pela frutosefosfato e compete com a frutosefosfato, cancelando o seu efeito inibidor sobre a glicoquinase. A glicosefosfato pode fluir tanto para a glicolise como para uma das vias oxidativas secundarias. Quando níveis altos de ATP sinalizam que a célula esta produzindo o ATP mais depressa do que consome, o ATP inibe a fosfofrutoquinase-1 ligando-se a um sitio alosterico e diminuindo a afinidade da enzima pelo seu outro substrato, a frutosefosfato.

O citrato também age como um ragulador alosterico da fosfofrutoquinase Concentrações altas de citrato aumentam o efeito inibidor do ATP, reduzindo ainda mais o fluxo da glicose através da glicolise. O regulador alosterico mais significativo da foafofrutoquinase-1 é a frutose-2,6-bifosfato que ativa fortemente a enzima. A gliconeogenese emprega desvios ao redor de cada um desses passos irreversíveis. A frutose-2,6-bifosfato, um ativador potente da PFK-1 do fígado e portanto da glicólise, também inibe a FBPase-1, e assim diminui a gliconeogenese.

A L-gulonolactona é desidrogenada pela flavoproteina gulonolactona oxidase para formar o acido ascorbico.

Respiração Celular - Parte 2 - Ciclo de Krebs - Prof. Paulo Jubilut

Pessoas com vitamina C insuficiente produz uma doença chamada escorbuto. Nesta etapa da glicólise, a glucosefosfato é isomerizada em frutosefosfato, assistida pelo enzima glucose-fosfato isomerase. Entre estas, a maioria encontra-se sob a forma de di-hidroxicetona. Durante esta etapa, a energia libertada pela hidrólise é transferida para a síntese de ATP a partir de ADP e de fosfato inorgânico. No início do processo, foi investida energia consumiram-se 2 ATP. No final do processo recuperou-se energia sob a forma de 4 ATP. Através do GLUT4, a glicose é transportada para o interior da célula iniciando uma série de reações que dependem, principalmente, da atividade da enzima PFK fosfofrutoquinase.

Interferência Neuromuscular.

Aulão Enem

A existência desse …. Time limit is exhausted. Augusto Abreu.

localização celular da glicose Localização celular da glicose
localização celular da glicose Localização celular da glicose
localização celular da glicose Localização celular da glicose
localização celular da glicose Localização celular da glicose
localização celular da glicose Localização celular da glicose
localização celular da glicose Localização celular da glicose
localização celular da glicose Localização celular da glicose
localização celular da glicose Localização celular da glicose
Localização celular da glicose

Related localização celular da glicose



Copyright 2019 - All Right Reserved